Deus é real

Todos têm alguma opinião sobre Deus, todos algum dia na vida acho que já pensaram sobre isso e pautam suas vidas sobre esse entendimento, independente de qual seja. E eu,claro, estou nesse “todos”.

Ontem mesmo durante um estudo junto com outras pessoas que são diferentes de mim, estão em outras fases de suas vidas, conversávamos sobre alguns pontos em relação a isso. Sobre nossas experiências e relacionamento com Deus. O Deus real, que nos proporciona experiências verdadeiras com Ele, que me permite ter um relacionamento de intimidade, de dependência, de paternidade, de salvador. Deus que me promete (e o que Ele promete Ele de fato cumpre) plenitude de alegria, alegria mesmo em meio a tribulações.

Vi essa semana o filme da Elis, gostei muito, mas ao final me deu uma dó absurda dela. Assim como tantos outros, um talento lindo, mas uma vida vazia, triste, angustiada. E isso para mim só tem uma explicação, ausência de Deus, ausência daquela paz que excede todo o entendimento. Pode me chamar de crente-bitolada-ignorante-lavagem cerebral ou qualquer coisa do tipo. Mas é assim que eu vejo, é assim que eu penso, é pensando que com Deus é tudo mais fácil mesmo enfrentando qualquer dificuldade.

Ninguém me contou, eu mesma conheço Deus, eu converso com Ele, eu choro, eu me alegro, eu fico em silêncio, eu reclamo, eu vejo o agir dEle em grandes e pequenas coisas. Em muitos momentos do meu dia a dia, eu desisto de travar algumas lutas por não obter sucesso e falo “Deus, desisto, tô de saco cheio disso, me ajuda” e sempre Ele resolve.Tenho minhas dúvidas, tenho meus questionamentos, tenho minhas perguntas sem resposta, mas depender e esperar naquele que tem o controle do universo nas mãos ajuda a ter uma mínima calma.

Ontem ao final do estudo agradecemos por podermos desfrutar dessa comunhão, por Deus nunca desistir de nós, mesmo às vezes nos empolgando ou aflingindo com coisas tão insignificantes desse mundo. Muitas e muitas vezes me pego pensando em meio as minhas dificuldades, como seria se eu não confiasse e conhecesse Deus. Não entendo como alguém que carregou ou viu um bebê se formando perfeitamente dentro de outro ser humano, sem que se fizesse nada para viabilizar isso, pode ter dúvidas de que isso é divino, que só pode ser Deus.

Não tem como eu convencer ninguém que Deus existe, não é uma questão de argumentação, eu creio na Bíblia e é nela em quem meus argumentos estão baseados. E a conversa sempre acaba quando a outra pessoa diz “Mas aí já é uma questão de fé”. Exatamente! Para mim ela é o que Deus quis que eu soubesse, é a história da humanidade, a minha história, manual de fé e prática. Mas para outras pessoas, a verdade em que meus argumentos, minha vida e esperança estão pautados é pura ficção, infelizmente. É fé mesmo, e fé é dom de Deus.

Deus é real, já fui curada por ele, já vi pessoas sendo transformadas por Ele, meu marido por exemplo. Já carreguei por duas vezes o milagre da vida dentro de mim. E mesmo se nada disso tivesse acontecido, Ele continuaria sendo real, eu O conheço, e meu desejo é que muitas e muitas outras pessoas tivessem essa mesma “opinião”. Mas ainda há tempo!

Ele me chama pelo nome

Tenho convivido no meu dia a dia com duas pessoas que com uma atitude muito simples têm feito diferença na minha vida: o ascensorista do prédio em que estou trabalhando e o moço que pega meu carro no estacionamento. Ambos me chamam pelo nome: “Bom dia, Rafaela!, “Bom trabalho, Rafaela”, “Mesmo horário hoje, Rafaela?”, “Como foi o fim de semana, Rafa?”. Com o ascensorista é Rafa mesmo e para o caso dele é ainda mais interessante porque ele sabe o nome de todo mundo. Ele faz questão disso e isso me faz sorrir todo dia quando pego o elevador.

Eu não sou a mais simpática com as pessoas de maneira geral, sou bem seletiva nesse ponto e sei que não é uma qualidade. Mas me encanto quando, nos dias atuais em que o objetivo comum é ganhar dinheiro ou mostrar que você é intelectualmente diferenciado, alguém demonstra interesse nas pessoas. Esses dois de fato se importam em fazer alguma diferença, porque dentre tantas coisas que passam pela cabeça deles, tantas pessoas com as quais eles convivem diariamente, eles sabem quem sou eu. Isso, de verdade, tem feito minhas manhãs mais felizes, que é quando os encontro.

Esses dias de manhã quando deixei meu carro no estacionamento e fiquei pensando sobre isso, lembrei que, meio mal comparado, é assim que Deus me trata. Dentre todas as pessoas, Ele me chama pelo nome, Ele sabe o que penso, o que se passa no meu coração, Ele tem pensamentos de paz a meu respeito. Mesmo Ele sendo perfeito, dono do universo e Todo poderoso se importa comigo, Ele ouve minhas orações mais bobas do tipo “Deus me ajuda a chegar na hora na escola”. Ele sabe quantos fios de cabelo tem na minha cabeça, Ele tem planos lindos e infalíveis para mim. E isso me faz sorrir ainda mais, me traz calma em meio às minhas inseguranças, me traz consolo em saber que tudo está no controle dEle, como se constantemente Ele soprasse no meu ouvido “Calma porque quem controla tudo sou Eu!”

Tenho ultimamente pedido a Deus para me ajudar a enxergar a vida sob a perspectiva dEle e Ele tem me ajudado nisso. Ele é um Deus de grandes feitos, mas os grandes feitos de Deus também estão nos detalhes, como por exemplo colocar pessoas gentis no meu caminho, como me ensinar, ou melhor, confirmar que o importante dessa vida é de fato as pessoas e a diferença que podemos fazer na vida delas, como me fazer ler um livro que muda meus hábitos diários. O meu Deus é grande e infinito, mas Ele está presente nos detalhes. Ele é presente, vivo, real. 

 

u

Jesus, apressa sua volta…please

Há ocasiões ou acontecimentos que me fazem desejar ardentemente que Jesus volte logo. E nesses últimos dias, a notícia do estupro coletivo numa menina de 16 anos foi um desses fatos. Eu nem consegui assistir o jornal quando estava dando detalhes do ocorrido, mudei de canal literalmente, de tanto mal que aquilo me fez. Fisicamente foi me dando uma coisa, um sentimento ruim, um enjôo. E depois, com a repercussão nas redes sociais e mídia, foram aparecendo mais outros tantos casos compartilhados pelas pessoas, discussões abordando a linha de que a menina se envolvia com bandidos, de que ela fazia tal e tal coisa. Tudo ficando cada vez pior. Passam mil coisas na minha cabeça, lembrando de que na adolescência eu tinha medo disso, de pegar táxi sozinha, sempre andando rápido na rua…

Ouvi no rádio a notícia de uma criança de 10 anos que roubou um carro, fugiu dirigindo e acabou morrendo num confronto com a polícia que ainda não foi esclarecido ao certo até o momento em que eu escrevia isso. Não interessa. Foi o que o jornalista comentou, independente de mocinhos ou bandidos, uma criança de 10 anos! Nem quero discutir se foi legítima defesa, se foi sem querer, se foi sei lá o que. O fato que me choca é que era uma criança, armada, roubando um carro!!! Ela é vítima de um tanto de coisa e nós também. A sociedade apodreceu por completo.

Eu não tenho a menor esperança de que um dia seremos melhores, infelizmente. Não consigo crer que a geração dos meus filhos verá dias melhores. Pensando pela lógica, é pouco tempo para consertar muita coisa. Tenho feito minha parte tentando educa-los para que sejam um homem e mulher de bem, oro por isso. Depois que me tornei mãe, me entristece ainda mais essas coisas…de verdade. Mas Deus é Deus em todo o tempo, Ele já fez muito mais do que consertar um Brasilzinho, mas queria muito que Jesus voltasse. No céu não terá nada disso. Não vai ter medo. Não vai ter lágrima. Vai ser tudo perfeito por toda a eternidade.

Será um dia de vitória, “Igualdade e justiça haverá/Já não mais terá morte ou guerra/Novo céu e uma nova terra/Eu desejo tanto ver o dia chegar!” “Se tornará verdade tudo o que sempre sonhei/Tristezas eu não mais terei/ E toda a lágrima do meu olhar Ele enxugará!”

Jesus, volte logo, porque tá puxado por aqui.

Quero um ano especial

Graças a Deus por ter feito de 2015 um ano de maternidade nova para mim. Por ter me proporcionado novamente a melhor sensação dessa vida que é ter um bebê mexendo dentro da gente, por ter me dado a Fernanda cheia de saúde e cheia de azul no olho (até agora pelo menos). Graças a Deus pela evolução do Davi, pela criança esperta, saudável e divertida que é. Graças a Deus por mais um ano de casada. Graças a Deus pela preservação da minha família, dos nossos empregos. Graças a Deus pelas conquistas materiais num ano meio confuso no país. Graças a Deus pela água que quase, mas não nos faltou verdadeiramente. Graças a Deus pelas pessoas novas que conheci. Graças a Deus pelas minhas mudanças pessoais, pequenas, mas que fizeram diferença para mim.

Graças a Deus por mais um ano que virá, pelas infinitas possibilidades de mudar, de fazer algo novo, de manter o que deu certo. Não defini grandes coisas para o próximo ano, é só mais um ano, mas não dá para desperdiçar as reflexões que involuntariamente acabamos fazendo nessa época. Não dá para desconsiderar os desejos de melhorar em algo, nem que seja simplesmente “substituir o refrigerante por água com gás” – esse estou conseguindo. Dá para começar a mudar antes mesmo de 2016 chegar.

Há um ano, nem sabia que estava grávida, nem sabia o quão especial seria 2015 para mim. Estou com um pouco de preguiça de 2016. Queria que Deus tivesse reservado para mim um ano especial, um ano com saúde, um ano onde eu não fosse atropelada pela rotina da vida, um ano que eu tivesse tempo para mim, para cuidar de mim. Um ano em que eu conseguisse me divertir, um ano tão leve quanto comer biscoito com mate na praia. Tentarei fazer a minha parte para que isso aconteça. Esse é o meu pedido e sei que Ele pode me dar.

Obrigada, Deus!

loveusNo último sábado, eu e Diego fomos conversar com os jovens da Igreja que a minha sogra frequenta. Fomos dar um testemunho, contar a eles como foi o nosso namoro, o que Deus fez nas nossas vidas e que é sempre tempo para se acertar com Deus e obedecê-lo. Independente de quão errados nós estamos.

E depois conversando sobre como tinha sido, chegamos a conclusão de como relembrar isso publicamente nos faz bem, sabe o “trazer à memória o que nos dá esperança?” Bem isso! Nosso namoro foi todo equivocado, muita briga, traições e muito, muito longe do que Deus espera de um relacionamento. Mas posso dizer que dos 4,5 anos, os últimos 6 meses foram os melhores, quando confessamos tudo o que havia de errado entre nós e decidimos ter um relacionamento seguindo o que acreditamos ser o melhor, que é seguir o padrão que Deus deixou para ser seguido. De forma bem resumida foi mais ou menos isso que aconteceu.

Às vésperas do Dia de Ação de Graças, posso dizer que esse é um dos meus maiores motivos de gratidão a Deus. Acho que depois da salvação, esse é o maior mesmo. O que ele fez comigo e com o Diego, porque tudo o que temos hoje é consequência dessa transformação que houve conosco. Um casamento de quase 8 anos, um casamento feliz, com problemas e arestas a acertar como todo relacionamento. Um lar que eu gosto de estar, de cuidar, construído num apartamento na rua que eu sempre quis morar em SP. Uma vida confortável financeiramente e mais do que tudo isso junto, dois filhos lindos, perfeitos, saudáveis, provas vivas do amor e da misericórdia desse Deus por nós dois. Contando a história, lembrei dos nossos amigos que oraram tanto por mim e comigo, os do Rio e os de Campina Grande, instrumentos de Deus para nos abençoar. Deus sempre me cerca de pessoas especiais.

Eu amo ser casada, eu amo me dedicar à família que construímos, a ensinar meus filhos e espero (e oro) para que eles conheçam o Deus que eu demorei tanto para conhecer verdadeiramente. Meu coração é grato por muitas e muitas coisas, por todas as coisas na verdade, mas minha família nunca me deixará esquecer que Deus é fiel e nenhum plano dEle se frustra, ainda que nos esforcemos para isso.

Obrigada Deus pela salvação em Cristo e por ter separado para mim a história de amor que eu mais gosto!

 

A igreja que me faz bem

Estou lendo um livro e hoje li  uma parte que falou um pouco sobre a importância de pertencermos a uma igreja local, de frequentarmos um lugar físico, a igreja mesmo. Só reforçou o que já acho, o que tenho vivido desde que cheguei a SP e o que periodicamente o pastor da minha igreja diz.

Ontem foi dia de Santa Ceia lá na IPP (Igreja Presbiteriana de Pinheiros) e desde o primeiro culto que assisti na vida, em 2004, essa celebração me emociona (Falei disso aqui já)… Tem um padrão ali, os presbíteros estão de terno, eles servem os membros que permanecem sentados nos seus lugares e depois, esses mesmos presbíteros são servidos pelo pastor. Acho uma reverência a Deus bonita de ver, poderia ser feita com qualquer roupa talvez, poderíamos ir até o púlpito e cada um pegar o seu pão e seu vinho, mas para mim a maneira como esse momento é celebrado me faz pensar em vários atributos de Deus, no tamanho dEle. Vai além de relembrar o que aconteceu naquela cruz, que de fato é o mais importante. Aliás, o que sempre gera uma discussão, que é o uso do terno pelos oficiais, de alguma forma faz diferença para mim. Sou meio tradicional para algumas coisas, se algum dia decidirem que não precisa ir: ok, muito ok, porque no verão talvez ninguém mereça… Mas acho bonito. Acho bonito até quando nem é Ceia, só os que estão de plantão no púlpito, como na foto aqui embaixo.

igreja2

Pastor e presbíteros antes do culto começar. Com direito a presbítero carioca no púlpito nesse domingo (outro presente de Deus pra IPP…rs)

Agradeço muito a Deus pela Igreja que encontramos aqui, já falei isso muitas vezes, mas nem sei como seria se não tivesse encontrado esse lugar, com esses amigos que me ensinam a ser mais cristã, a servir melhor e me socorrem em algumas situações. Uma igreja que tem espaço para meus filhos crescerem e me ajudará a ensiná-los aquilo que considero o mais importante que há para eles aprenderem. Porque encontramos uma Igreja fiel ao que acreditamos e que não tem se perdido como tantas outras que dão uma tristeza de ver. Sei que não é mérito nosso, Deus tem sido bom com a gente. Aqui aprendi o que é ser crente, a amar a doutrina que sigo, a pensar sobre e ter verdadeira alegria em conhecer Cristo de verdade.

A igreja nunca será perfeita, e Pinheiros está longe de ser, simplesmente porque ela é feita de homens e mulheres imperfeitos, chatos, cheios de manias como eu. Mas seguimos juntos, tentando agradar a Deus e fazer alguma diferença na vida de outras pessoas.

Novos hábitos e mais de Deus

Temos uma vida tão corrida, todos nós independente da nossa ocupação. Em São Paulo tenho a sensação de que isso é mais, talvez pelo tempo que desperdiçamos nos deslocamentos pela cidade. Tudo passa meio atropelado, as coisas que fazemos automaticamente, as conversas que temos muitas vezes de forma automática também. Nem nos damos conta do que estamos realizando, evoluindo ou não, que relacionamentos temos construído ou deixado de construir.

Tenho lido bastante nesse período de espera da Fernanda, tenho tido tempo para isso e tem me ajudado bastante em todos os sentidos, aprendendo coisas novas. E paralelo a isso, adotei um hábito que me tem feito prestar um pouco mais de atenção em mim e no que tenho feito da vida, com a vida, com quem está perto de mim. Passei a listar os ganhos que tive na minha semana, faço normalmente aos domingos, listo mesmo, escrevo num caderno tudo o que de positivo ocorreu na semana que passou. E o ganho não precisa ser algo fenomenal que vai revolucionar o mundo, pode ser coisas mais simples como “não agi de forma descontrolada com o Davi quando ele fez tal coisa”  ou “consegui me controlar com a comida”, “almocei com a amiga x”. O desenvolvimento desse hábito tem a ver com o que estava fazendo na terapia e tenho mantido. Na verdade, não precisa escrever de verdade, mas os minutos dedicados a ver o que tenho feito de bom, se tenho alcançado objetivos que tenho proposto para mim, tem sido muito importante para não deixar a rotina e o dia a dia me atropelarem por completo.

Outro ponto, bem difícil, mas que tenho tentado: parar de reclamar das coisas. Isso é muito, muito difícil para mim, mas tenho tentado e por incrível que pareça tenho conseguido mais do que imaginava. Observando as pessoas e situações perto de mim, essa época em que as pessoas só falam da crise que o país atravessa, olho para mim e para família e vejo que não temos problema. Está tudo ok com nossa saúde, com nossos filhos, com nossos empregos, com nossa casa, com nosso casamento, com tudo…Deus tem sido generoso demais conosco, nos livrado de provações, nos dado muito, muito mais do que precisamos, desde as mínimas coisas até grandes coisas. E meu coração tem estado cada vez mais grato a esse Deus que tem cuidado tanto de mim, dos meus meninos e da minha menina também. Não tenho realmente do que reclamar. Graças, mil graças a Deus por isso.

Os dois pontos de vista me ajudam a não ficar no “deixa a vida me levar”, Deus tem agido o tempo inteiro, Ele trabalha enquanto eu durmo, Ele vai a frente, Ele me cerca de todos os lados com mãos generosas sobre mim e a correria da vida não pode me impedir de enxergar isso, porque mesmo os mínimos detalhes são provas do amor do Deus que tem todo o poder, Criador do Universo, que me chama pelo nome, de quem sou amiga e filha.